Mostrar barra lateral
O que esperar da Black Friday, segundo grandes varejistas

Há quem já está em clima de Black friday desde o início da semana fazendo promoções imperdíveis ao consumidor. E há também aqueles que estão nos últimos preparativos, só aguardando a sexta-feira mais importante para o varejo mundial.

Seja qual for a forma como sua loja está lidando com o evento, já deve ter ficado claro que este ano será diferente em vários aspectos, seja na forma como o consumidor estará lidando com as promoções, quais serão suas prioridades ao fechar negócio e até a grande parcela de varejistas entrantes no mundo digital.

Se você está se perguntando o que esperar desta Black Friday, irá gostar de saber alguns dados e tendências para o varejo online na data. Estes dados foram apresentados na Temporada Black Friday, que contou com diversos profissionais da indústria e varejo.

Neste artigo vamos falar sobre algumas das perspectivas mais interessantes sobre a Black Friday 2020, segundo os estudos do Google e grandes varejistas.

A participação do setor de e-commerce na Black Friday

Com as adversidades que passamos este ano por conta da pandemia, as pessoas precisaram adotar formas diferentes de viver seus dias, adaptando suas rotinas e encontrando meios alternativos para fazer tarefas comumente presentes no dia-a-dia, mas que antes eram exclusivamente feitas presencialmente.

Esta adaptação se estendeu até a forma como as pessoas consomem produtos, o que resultou no protagonismo do e-commerce no varejo total. Nos primeiros meses do ano, o segmento representou cerca de 12,6% do comércio varejista, grande parte desse protagonismo veio pelo cenário de pontos físicos fechados somando a uma nova tendencia de consumo das pessoas, o que resultou nos últimos 12 meses a participação do setor correspondendo a 7,1%.

Por falar em nova tendência de consumo, não é difícil saber sobre a transformação digital que muitas empresas precisaram passar para se adaptarem ao mercado. Acontece que a transformação digital também aconteceu para os consumidores, de acordo com dados apresentados pelo Rodrigo Chamorro (Gerente de insights de Varejo do Google Brasil) chegaram a 7.3 milhões novos e-shoppers, ou seja, pessoas que experimentaram pela primeira vez comprar online.

Quando falamos de e-shoppers vemos um crescimento não só de novos entrantes como também um aumento significativo de compras realizadas por pessoas que já tinham o costume de consumir online. De acordo com os dados apresentados, 54% das pessoas pesquisadas estão comprando mais online agora, além disso, 38% estão comprando itens que costumavam comprar na loja física, o que contribui para no crescimento de busca por categorias antes menos comuns, como alimentos e bebidas, itens de saúde/cuidados e itens de higiene pessoal.

Para a Black Friday são esperados comportamentos interessantes no consumo de algumas categorias. Por exemplo, na categoria de móveis e decoração, que vem demonstrando picos acima dos da black friday de 2019. Isso se deve ao momento de ajustes, onde as pessoas procuram formas de melhorar seus ambientes e ter mais conforto.

Já categorias de alta procura em edições anteriores como TV e vídeo, telefonia e eletrodomésticos, é esperado que apresente picos abaixo da edição do ano passado, isso porque o consumidor está realizando compras muito mais racionais.

E por fim, categorias que não se encontravam nas buscas nas Black friday anteriores, estão começando a ter procuras expressivas, como é o caso da categoria de alimentos/bebidas e grocery.

Podemos observar que esta Black friday terá uma diversidade maior de procuras e necessidades do consumidor. Com os novos hábitos de compra online, empresas que já se consolidaram e empresas que entraram a pouco tempo no segmento online (isso mesmo, 52% dos e-shoppers compraram online em lojas que não compraram antes), terão grandes oportunidades em vendas.

A experiência de compra online esperada na Black Friday

Mesmo com a retomada gradual do ponto físico, o setor de e-commerce mantém o crescimento e isso se deve ao fato de que o varejo físico está perdendo seus aspectos de imersão (de poder tocar e sentir o produto, ter um contato direto com pessoas e marca, e etc.) pelo fato de que as pessoas estão preocupadas com a segurança, o que nos leva as expectavas com a experiência de compra online.

Fazendo um, comparativos entre os motivos de comprar online em períodos pré-pandemia e em pós-pandemia, conseguimos observar que as motivações mudaram, bem como o que se espera da experiência de compra em cada um dos canais, seja físico ou online.

As compras online no pré-pandemia eram sinônimo de praticidade e conveniência, as compras eram racionais e mais pensadas. Já as compras no comércio físico, era sinônimo de compras mais imersivas e emocionais, o que muda no cenário de pós-pandemia, onde se transforma em algo mais rápido, com menos contato com produtos e ambiente não conseguindo resgatar o valor simbólico emocional.

As motivações de compras online se tornaram mais exigentes, com novas pessoas chegando no e-commerce. Grande parte nos novos usuários esperam uma experiência mais parecida com a loja física, além de esperar encontrar mais diversidade e categorias.

As expectativas de quem irá comprar online nessa Black friday está principalmente vinculada a busca por mais praticidade, uma experiência mais imersiva e multicanal. Com possibilidade de retirar na loja, drive thru, realizar reservas de produtos ou soluções que tornem a experiência mais prática.

Outra forma de evitar ansiedade e incertezas na hora da compra, é possuir conteúdos ricos sobre os produtos da sua loja. Um estudo realizado pelo Google mostra que as buscas por unidade vendida duplicaram no segundo trimestre. Vale a pena investir na atualização das descrições, inserir diversidade em conteúdo para que o usuário não precise sair do seu domínio para pesquisar mais sobre sua possível compra (e acabar optando pela concorrência).

Além disso, o usuário está atento aos protocolos anti-covid, quais procedimentos que a marca está realizando em seus processos internos e logísticos. Por isso, vale a pena investir em uma comunicação focada na minimização de risco e entender o que é importante para cada consumidor.

Com isso, já deu para entender que o que se espera da Black Friday de 2020 é uma participação maior do comércio online, com usuários com necessidade diversas e expectativas focadas na experiência de compra e comunicações que confirmem os protocolos anti-covid adotados pelas marcas.

E aí, o que você espera desta Black friday? Se está procurando um parceiro para te ajudar na evolução da sua loja para estar preparado para a Black Friday, entre em contato com nosso time e conheça nossas soluções.

Vale a leitura

Milwaukee e Ben’s Bicycle personalizaram a venda de bikes no e-commerce
Milwaukee e Ben’s Bicycle personalizaram a venda de bikes no e-commerce
Fundada em 1928, a Ben’s Cycle é especializada em produtos de bicicletas difíceis de encontrar e de alta qualidade, b...
Saiba mais
Conceito: o que significa Headless Commerce da VTEX?
Conceito: o que significa Headless Commerce da VTEX?
Conforme os anos passam, novas formas de atuar no mercado vão surgindo, dando espaço para novos modelos de negócios e...
Saiba mais
Como identificar erros no SEO do seu e-commerce
Como identificar erros no SEO do seu e-commerce
Atrair novos usuários para seu e-commerce é um fator determinante para o sucesso das suas vendas online, e para isso ...
Saiba mais

Dejar un comentario

Por favor tenga en cuenta que los comentarios deben ser aprobados antes de ser publicados